quinta-feira, 30 de julho de 2015

Opinião: O Crime do Padre Amaro

Foto: Cláudia Pereira
«Foi no Domingo de Páscoa que se soube em Leiria que o pároco da Sé, José Miguéis, tinha morrido de madrugada com uma apoplexia» (Queirós, 2002:15). O clero é, em geral, descrito como "comilões" que inclusive desrespeitam o jejum. Num sentido lato, não respeitam várias regras católicas.

O padre José Miguéis não era querido pelo povo. Arrotava no confessionário. Era miguelista. Conhecido por «Frei Hércules»: Frei pela gula e Hércules pela força. Porém, «como ninguém tornou a ver o cão [do padre] na praça, o pároco José Miguéis foi definitivamente esquecido» (Queirós, 2002:17).

O blogue foi distinguidoo

E o vencedor da caneta dourada julho 2015 é......."Atualidades by: Cláudia Pereira".


terça-feira, 28 de julho de 2015

Coimbra em Imagens

                                                                                                                                                 Fotos: Cláudia Pereira. DR

Ando a tentar melhorar as minhas fotografias e a sua qualidade. Nada melhor do que começar pela 
Cidade do Conhecimento, Coimbra. Sobretudo pela Universidade.

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Opinião: Até Lá Abaixo

Três homens, um jipe e 150 dias de aventuras em África

Foto: Cláudia Pereira
Olá Internautas! Hoje quero falar-vos do livro Até Lá Abaixo, do jornalista Tiago Carrasco. Já o tinha lido em 2011 e não raras vezes me lembrava das aventuras destes três amigos. Talvez por adorar aventuras e sonhar ir a África.

domingo, 26 de julho de 2015

Opinião: Filme Jobs


Steve Jobs, a Apple e os seus companheiros de loucuras.

Um filme de pessoas que se dirige a quem o vê. É mais do que um filme porque toca em cada um e incentiva à ação, a ser louco. Louco é mesmo o que define o Steve Jobs irrequieto que andava descalço pela faculdade. O Jobs que deu oportunidade a que outros pudessem fazer parte da transformação do Mundo.

A Apple é o fruto da criação. De ideias. De uma realidade diferente.
Se são ambiciosos e querem deixar de olhar só para o "vosso quintal" vejam este filme, Jobs (2003).
"As pessoas que são loucas a ponto de acharem que podem mudar o mundo são as que o mudam".

sábado, 25 de julho de 2015

Olhà bolinha!, boli-berliiiiiiiim

Um bolo quente que se come na praia. Um bolo quente que teve origem numa cidade fria, Alemanha. Não é português e é frito. As bolas-de-berlim. Com creme.

Segundo a historiadora Irene Pimentel, "foram trazidos para Portugal por uma família judia que cá se refugiou por altura da Segunda Guerra Mundial e encontrou neles o rendimento extra para arredondar o fim do mês". Portanto, se tiverem intenções de culpar alguém por aquela saliência na barriga, culpem essa família judia.

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Sonilóquio


"Vai tirar o frango do lume", pediu a minha Mãe mal entrei no quarto dela. Era de noite, pelo que ela dormia profundamente. Afinal não havia nenhum frango no lume e o mesmo estava prestes a apagar-se. O episódio caricato voltou a ocorrer, mas depois já com os pimentos.

quinta-feira, 23 de julho de 2015

O senhor da "Lamechalândia"

CURIOSIDADES SOBRE PEDRO CHAGAS FREITAS
Em meados de 2012, Francisco Penim, ex-diretor de programas da SIC e atual diretor adjunto de programação da CMTV, recebeu na sua caixa de correio um email de que ainda hoje se lembra. Como recorda à Sábado, um tal de Pedro Chagas Freitas, de que nunca tinha ouvido falar, convidava-o para apresentar um livro seu. O tratamento era por tu: "És a pessoa ideal. O teu percurso é a cara deste livro!" Em anexo vinha uma obra chamada ‘Eu Sou Deus’. Ao contrário do que o título supunha, Pedro Chagas Freitas não estava a lançar uma autobiografia, e a edição do livro até tinha sido paga do seu próprio bolso: €1200, correspondentes a 100 exemplares. Francisco Penim acabou por aceitar o convite – "mais pela lata com que fui abordado" – e no dia 12 de abril de 2012 apresentou a obra. Ao seu lado estava a escritora Clara Pinto Correia e o ator e apresentador Gustavo Santos – todos convidados da mesma forma. Três caras conhecidas num espaço da moda em Lisboa foi o suficiente para a agência Lusa fazer uma longa peça sobre o assunto, que incluía declarações do escritor. O site do Diário de Notícias publicou o texto no dia 10 de abril – Pedro Chagas Freitas era tão conhecido que aparecia referido como Pedro Chagas Ferreira. Pormenores. O objetivo estava conseguido: visibilidade. (texto da revista Sábado adaptado ao novo acordo ortográfico)

Serão os escritores solitários e apenas românticos na escrita? Esta questão foi o mote da conversa com uma colega minha, que é fã do senhor da "Lamechalândia", Pedro Chagas Freitas. 

terça-feira, 21 de julho de 2015

Nas Gavetas Escondidos #28

(vídeo em inglês com boas imagens)

O Parque Nacional de Zhangjiajie, na China, ganhou este mês a maior e mais alta ponte de vidro do mundo. Na realidade, parece que as pessoas estão a voar e para quem tiver medo de alturas certamente esta não é uma boa opção. 

São 3 000 metros até ao solo, mas... vamos pensar positivo. Temos sim de congratular o arquiteto israelita Haim Dotan, que se inspirou em James Cameron e mais peculiarmente nos cenários do filme Avatar

A ponte suporta até 800 pessoas ao mesmo tempo. Pretendem mesmo fazer desfiles de moda em cima da mesma, aproveitando a vista para o parque nacional e a província de Hunan.


Parece-me que a China prima por obras de grande projeção internacional. Digam-me se (não) concordarem.

Fontes de Informação
Bonde | TSF | Mala Verde Menta | Nômades Digitais |

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Opinião: "Fazer entrevistas por e-mail não é uma entrevista é mais um questionário"

"Fazer entrevistas por e-mail não é uma entrevista, é mais um inquérito do que uma entrevista", defende José Alberto Carvalho numa entrevista ao programa E2 (RTP2). Eu vejo da mesma forma essa confusão entre Jornalismo e questionário. Porque uma entrevista jornalística é, nas palavras do jornalista, "lermos o rosto do nosso interlocutor, percebermos quando ele está a patinar numa resposta, quando ele não está suficientemente à vontade com um determinado raciocínio e interagir". Isto é, o entrevistador não pode ficar preso às perguntas que pré-preparou e tem de tentar saber muito mais para além do já conhecido. 
Ao invés, as novas tecnologias e a facilidade da Internet trouxeram erros que considero graves para o Jornalismo. Fico completamente preocupa e de certo modo irritada quando leio "entrevista" e sei que por trás está um e-mail. Não aceito isto. O que é que isso tem de entrevista?!
O problema dos questionários por correio eletrónico é precisamente o facto de o entrevistado poder reformular e corrigir as suas afirmações quantas vezes quiser. Nesse formato "o entrevistador tem tempo para pensar e para articular uma resposta", acrescenta José Alberto. 
Tal como já tinha sugerido num outro post, usem os e-mails para perguntar a disponibilidade do entrevistado e recorram ao Skype para as entrevistas. Sim, porque as deslocações nem sempre podem ser feitas pelo dinheiro necessário às mesmas.
A verdadeira entrevista jornalística é portanto aquela pela qual sou uma apaixonada. É a entrevista que desafia o interlocutor a pensar, mas também o próprio entrevistador tem de lidar por vezes com temas inesperados pois nunca abordados publicamente pelo entrevistado. É fazer as questões mais delicadas como também dar espaço para que se o entrevistado não quiser responder...tudo bem.

Já publiquei duas entrevistas cá no blogue que podem ler: ao João Torres e a João Santos.

Podem ler o post a que fiz referência AQUI

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Opinião: universidade, curso de Jornalismo e Comunicação e praxes

Como já tinha prometido anteriormente (lembram-se?), vou dar-vos a minha visão sobre a Universidade de Coimbra (UC) e, particularmente, o curso Jornalismo e Comunicação. Frequento-o desde 2014 e parece-me "ser sempre bom haver testemunhos deste género", tal como o Miguel Gouveia comentou no post anterior.

Antes de mais, tenho de alertar para aquilo que espero que já conheçam. Várias universidades implementaram reformas nos seus cursos. Aconteceu na universidade de Coimbra, em Aveiro e suponho que em outras faculdades de Portugal. Por exemplo, o meu curso deixou de se chamar "Jornalismo" para ser "Jornalismo e Comunicação".

Como se processa tudo isto?

Nas Gavetas Escondidos #27

Tradições é a palavra-chave dos produtos portugueses. Quem se lembra de usar isto?

Pasta medicinal portuguesa Couto. Foto: DR
E do anúncio?

quarta-feira, 15 de julho de 2015

Testemunho: Escolher curso universitário e universidade

"Mais de 3300 cursos profissionais, superiores e livres existem nas cerca de 1200 instituições de todo o país", segundo o jornal Público. É, por isso, extremamente complicado encontrar o curso que se adequa às nossas preferências.

Eu sempre quis seguir o curso de Línguas e Humanidades (no ensino secundário) e essa ideia não mudava, mas quanto ao curso universitário tinha sérias dúvidas. Queria tudo: História, Língua Gestual, Línguas Modernas e até quis ser professora de violino e ciclista profissional. A indecisão era terrível. Cheguei ao 12º ano ainda só com a certeza que queria ser professora (certeza que sempre tive desde a infância). Mas professora de quê?! Nunca tinha resposta. Aliás, ainda hoje vacilo quando me perguntam "professora de quê". 

Sinceramente, só me comecei a preocupar realmente com a escolha do curso depois dos exames do 12º ano feitos. Até lá limitei-me a pensar "com uma média de 16 já podes escolher um curso que gostes". Assim foi. Superei a média de 16.

Chegaram as férias. O stress. Fui reler todos os panfletos e brochuras que tinha acumulado desde o 9º ano, pesquisei na Internet sobre as saídas profissionais, empregabilidade, pré-requisitos, comparei universidades, ouvi testemunhos, falei com várias pessoas de cursos diferentes. No meio de tudo isto, treinava ainda mais. Fazia longos percursos de bicicleta a pensar que "caso não consiga encontrar o curso que quero, dedico-me ao ciclismo". (Tinha de ter uma segunda opção. Aliás, profissionalmente costumo ter sempre uma segunda opção no caso de as coisas não correrem bem.) 

Depois de várias pesquisas e de ter perguntado à minha Mãe inúmeras vezes "o que é que eu faço à minha vida?", comecei a ler um livro sobre Jornalismo que um professor me tinha recomendado. Li-o e cheguei à conclusão que não sabia nada de Jornalismo. Então optei por Jornalismo.

Livro que me recomendaram: Nos Bastidores dos Telejornais RTP1, SIC e TVI, de Adelino Gomes. Foto: Cláudia Pereira
Como podem ver a minha decisão foi tomada de forma ridícula, mas consciente. Se não fosse para Jornalismo ia para História. Pensei: "se fores para História só podes ser professora, a empregabilidade está uma miséria pelo que só se fores excelente é que tens emprego. Se fores para Jornalismo podes melhorar a tua escrita, ser professora e tens outros caminhos que te podem agradar muito, como fazer entrevistas". Assim foi: Jornalismo.

Quanto à escolha da universidade, foi fácil. Sempre quis estudar em Coimbra, pois considero fascinante a história dos monumentos, a vida académica e o facto de ser uma cidade pacata comparando com Lisboa. Então a primeira opção foi Jornalismo em Coimbra; a segunda foi Jornalismo na Escola Superior de Comunicação Social de Lisboa e a terceira História na Universidade Nova de Lisboa. Com a média que tinha era quase certo que conseguia entrar na primeira opção.


Próximo post: a minha opinião sobre o meu curso e universidade.

terça-feira, 14 de julho de 2015

Hitler - Uma Biografia

O Instagram e o Facebook do blogue estão com sérios problemas em funcionar corretamente. Apesar disso, estou mesmo contente com o entusiasmo que demonstraram nos textos sobre o livro e filme Os Filhos da Droga (podem ler AQUI e AQUI).

Aquilo que mais gosto do blogue é poder ler as vossas opiniões/comentários e a partir do momento em que o consigo fico mesmo feliz. Tudo isto sem vocês não fazia mesmo sentido, portanto não me canso de vos agradecer. Bem, passando ao tema de hoje: Hitler. Quem é que gosta dele? (É uma boa pergunta, confessem).

Fotos: Cláudia Pereira
Hitler é o famoso governante da Alemanha (de 1933 a 1945) de que Ian Kershaw fala neste primeiro volume, Hitler - Uma Biografia. O desprezo do autor por esta figura vai deste mundo ao outro. O livro parece uma tese (bem escrita) sobre Hitler antes mesmo do seu nascimento. Ian vai ao fundo da sua vida para procurar perceber por que razão Hitler fez o que fez, de onde vem o ódio pelos judeus...porquê.

Pelo meio o leitor é confrontado com ideias sobre Hitler que já foram bastante difundidas e cuja irrealidade Ian desconstrói. Além de afirmações falsas que Hitler divulgou no seu livro Mein Kampf (A Minha Luta), a "bíblia" das suas estratégias políticas, publicado oito anos antes de o mesmo ser chanceler do Terceiro Reich.

Ao longo do livro, irritei-me com a ociosidade de Hitler, com o facto de não se encontrarem de imediato explicações para o seu ódio antissemita, indispus-me também porque ele mentia aos seus mais próximos por simples orgulho. É alguém de quem não estava à espera ler o que li, pois sempre tive a ideia de que quem ascende socialmente é quem batalhou toda a vida por um futuro melhor. Já Hitler procurou desenhar, desenhar e... passarinhar. Claro que também lia livros, jornais e ia a inúmeros espetáculos de ópera mas de facto esteve muito tempo sem definir metas na sua vida.

Foi um "João sem rumo".

Vejo-lhe como atributo a sua capacidade retórica, mas facilmente consigo não gostar dele. A ociosidade, a teimosia, o orgulho, os falhanços, o comodismo e tantos outros defeitos que se leeem (nas entrelinhas ou não) deste primeiro volume.

O genocídio, as atrocidades e o ódio por um lado, e a inegável capacidade retórica, por outro. Como se costuma ouvir, ele foi uma «impessoa» e é a conhecer os seus defeitos que podemos mudar a nossa forma de pensar. Vale a pena ler as linhas e as entrelinhas desta biografia.

Deixem nos comentários se querem que eu escreva um resumo da vida de Hitler. 


Esta série de volumes da autoria de Ian Kershaw pode ser adquirida juntamente com o Expresso.


Participem nos comentários deste post. Obrigada!!


A curiosidade matou o gato

Hoje acabei de ler...


E já estou quase a acabar de reler o Até Lá Abaixo, do jornalista Tiago Carrasco. Comecei o do Eça.

  

E vocês, que livros andam a ler?
(deixem nos comentários)

domingo, 12 de julho de 2015

Opinião: Os Filhos da Droga

 

Os Filhos da Droga é um livro incrível de Christiane F. que desnuda o mundo da droga, com detalhes e uma história verídica que cativa a leitura.

Há cerca de cinco anos que o li e ficou-me na memória. A leitura "prendeu-me" durante uma semana e cheguei ao fim com vontade de ler mais. 

Vi entretanto o filme. Christiane Vera Felscherinow sofreu de maus-tratos na sua meninice, o que a tornou uma adolescente revoltada. Com apenas 12 anos teve a sua primeira experiência com drogas, fumando haxixe.

A popularidade desejada e a paixão por Detlef conduziram-na ao mundo das drogas e, posteriormente, da dependência e prostituição. O filme alerta para o facto de nós termos auto-controlo mas esse não ser assim tão fácil de conseguir perante algo tão viciante como a droga.

"É só mais uma vez, amanhã paramos" é a frase mais repetida pelos jovens viciados. O casal que depois começou a namorar chegou a um ponto de desespero, de vómito de sangue constante e de prostituição. A masturbação e o sexo oral não chegavam para obter as doses que queriam pelo que tiveram de começar a fazer outro tipo de serviços.

sábado, 11 de julho de 2015

Opinião: Controlo de Custos

O Governo português é "obrigado a revelar toda a informação sobre as vendas do Estado", titula o Diário Económico (29 de junho de 2015, p. 19). 
Depois da privatização da TAP e de mais umas quantas empresas, considero de facto importante que se controlem os gastos/investimentos públicos que se têm feito. Será que as sucessivas privatizações trazem de facto benefícios a curto e longo prazo para o Estado?
Para Jorge Coelho, "Grande parte das privatizações que estão a ser feitas em Portugal trazem zero de valor acrescentado para a economia portuguesa. Trazem dinheiro mas não trazem valor do ponto de vista tecnológico, não criam postos de trabalho. O país fica na mesma", conclui o ex-ministro das Obras Públicas e ex-presidente da Mota-Engil ao Diário Económico.
O referido jornal acrescenta que todos os dados das privatizações devem ser disponibilizados ao Tribunal de Contas e à Comissão de Mercados de Valores Imobiliários.


Privatização da TAP AQUI.
Opinião sobre a privatização da TAP AQUI.

“Eu, Christiane F., 13 anos, drogada e prostituta”

Resumo Os Filhos da Droga
DR
Christiane Vera Felscherinow, nasceu em 1962 na Alemanha, e é toxicodependente.

Os maus-tratos por parte do pai na sua infância, tornaram-na uma adolescente revoltada. Tudo começou ao fumar um charro, mas com apenas 12 anos teve a sua primeira experiência com drogas ao consumir comprimidos, como Valium, Mandrix, haxixe e LSD.

"Viveu numa época em que a droga era abundante [e] barata. Na cabeça de Christiane e de muitos adolescentes da época, ser popular era quem consumia drogas mais pesadas. Christiane olhava para [os] toxicodependentes com uma certa inveja da independência e desprezo às regras".

Em 1975, aos 13 anos, começa a frequentar semanalmente a discoteca "Sound", na altura a mais moderna de toda a Europa, situada em Berlim. Lá, conheceu vários jovens como Detlef (seu futuro namorado), Axel, Babsi, Atze, Stella.

"O ensino atual cria papagaios de repetição e cidadãos passivos"

Foto: Cláudia Pereira
Em entrevista ao Ensino Magazine, a escritora Inês Pedrosa defende uma reestruturação a fundo da educação portuguesa para "estimularmos o sentido crítico dos jovens". Acredita que o ensino atual origina "papagaios de repetição e cidadãos passivos, não cabeças ativas e curiosas".

"Desvaloriza-se o ensino das Humanidades e das Artes (a quase inexistência de educação musical é vergonhosa), sobrevalorizam-se as ciências ditas exatas", critica Inês, licenciada em Ciências da Comunicação. Além disso, defende ser importante haver debates nas escolas.

Mãe de uma menina de 17 anos que quer estudar Cinema, a escritora fala da desvalorização da cultura em Portugal. Porém, é a área "que transforma as pessoas e as torna capazes de pensar, criar, mudar o mundo". O problema reside no "entretenimento básico" que não analisa os problemas de raiz. "A cultura virou uma indústria de entretenimento, completamente subvertida dos valores essenciais", concluindo que há uma mistura de diversas áreas com o entretenimento.

No seu livro Desamparo, uma das personagens é uma mulher na Presidência da República, em Portugal. A autora explica que, de modo alegórico, "uma mulher Presidente seria um sinal de mudança importante". "As mulheres devem ter um lugar na política porque devem ter os mesmos direitos, oportunidades e consideração que os homens, e não por serem mais boazinhas ou honestas do que eles. Há uma série de mulheres, nos vários partidos políticos, que têm provas dadas e percursos que as tornariam excelentes candidatas à Presidência, mas não se fala delas".

Por fim, a jornalista Inês Pedrosa coloca defeitos na sociedade "demasiado individualista" que só se mobiliza para o futebol e apenas se une em prol do "tenebroso vício das cunhas". Ao invés, no desporto "a visibilidade mediática decorre do mérito e das qualidades pessoais".

Foto: Cláudia Pereira

Fonte de Informação
Da Silva, Nuno (2015), "O ensino atual cria papagaios de repetição e cidadãos passivos". Público, Nº 206, abril, pp. 2-4.

quinta-feira, 9 de julho de 2015

Nas Gavetas Escondidos #28

Parlamento húngaro aprova construção do muro para travar imigrantes


A Hungria localiza-se no cerne da Europa Central e integra a União Europeia desde 2004. Os valores dessa União são: respeito da dignidade humana, liberdade, democracia, igualdade, Estado de Direito e respeito pelos direitos humanos.

Ao contrário de tudo isto, o Público noticia que "o parlamento da Hungria aprovou na terça-feira um novo pacote de leis que permitirá ao país, segundo a pretensão do Governo, controlar o crescente fluxo de imigração dos últimos meses. A assembleia nacional deu luz verde à construção de um muro de quatro metros de altura [e uma extenção de 175 quilómetros], ao longo da fronteira com a Sérvia e aprovou uma série de medidas anti-migração".

As novas leis pretendem, segundo o ministro do Interior, Pinter, facilitar a “identificação entre os migrantes que precisam realmente de proteção e os que são tipicamente migrantes económicos”.

Opinião

As novas medidas entrarão em vigor em agosto. Clarificando, em agosto teremos o mundo dividido visivelmente, já que a separação norte/sul só não existia no mapa

"O Governo afirmou que este ano já entraram no país perto de 72 mil migrantes, um número significativo quando comparado com os 43 mil que chegaram à Hungria, durante os 12 meses de 2014". Porém, embora o número seja significativo, nada justifica a criação de um muro. Nada justifica o fim dos ideais da União Europeia como a conhecemos inicialmente.

"O muro, diz Lazar, 'é temporário' e a sua existência dependerá de uma 'solução definitiva' por parte da Europa". Desde quando é que um muro construído é temporário?! Algum dia há de ser derrubado como o Muro de Berlim, mas temporário não há de ser. 

Apoio a opinião de Cecilia Wikström, porta-voz para as Migrações do grupo do Parlamento Europeu, a Aliança dos Liberais e Democratas pela Europa (ALDE). Cecilia disse que as novas medidas húngaras são “inaceitáveis”, “xenófobas” e “contrárias às leis europeias”

O papel dos meios de comunicação também deve ser visto como não cumpridor, dado que este é um caso que merece ser manchete. Este é claramente mais um desafio à União Europeia. Honrem o Prémio Nobel da Paz que receberam em 2012. 

Opinião: Copianços

Originalidade e criatividade são opostos de imitação. Os blogues são complicados de gerir porque depois de definidas metas é necessário trabalhá-las. Conquistá-las. Tudo se complica quando se pensa: "tenho um compromisso com os leitores de publicar todos os dias e estou sem inspiração".
Daí surgem os "copianços". Tal como na escola quando não se sabe a matéria se fazem cábulas, nos blogues lêem-se outros blogues. São inspirações, normalmente. Ou deveriam ser só isso. Certo é que acontece tantas tantas vezes conteúdos iguais que chego a pensar para que me ando a esforçar a tentar cumprir os meus objetivos. Já vi os meus conteúdos tal qual mas refiro-me à generalidade, pois tal como eu muitos(as) outros(as) se sentem afetados com estas atitudes. Porém, eu não sou pessoa de desistir.
A Carolina Santos é alguém cujo blogue leio assiduamente apesar de os seus conteúdos serem totalmente divergentes do "Atualidades". A "The French Fries", como é conhecida, é uma blogger que lida de perto com este problema. Olha para ele noutra perspetiva:
"Acredito que quem copia admira, e quem admira gosta. E se gostam de mim e do meu blog ao ponto de quererem copiar o que por aqui se passa, neste caso as fotos, os looks e os textos, eu também gosto de quem o faz, e agradeço mesmo a consideração e confiança que têm em mim. Porque é preciso gostar e confiar para querer fazer daquilo que é dos outros nosso. É preciso admiração. Ter um blogue é isto mesmo, é gostar de conseguir inspirar nem que seja uma pessoa. E quando isso acontece só posso ficar feliz, quer dizer que alguma coisa estou a fazer bem. Só dá mais força para cada vez ser melhor, por nós e por essas pessoas que acreditam em nós." (aqui)
A Carolina deu-me uma visão totalmente diferente...e reparem: muito mais positiva. Temos mesmo de aprender a relativizar as coisas,

terça-feira, 7 de julho de 2015

Mafalda Ribeiro tem uma vida "sobre rodas"

Mafalda Ribeiro diz que a vida lhe "corre sobre rodas". Tem uma doença congénita rara caracterizada por falta de cálcio nos ossos. Portanto, os seus ossos são tão frágeis que não aguentam "suportar" o corpo para conseguir andar sozinha. Tinha razões mais que suficientes para odiar muito em si, mas diz que o que menos gosta nela é "a voz de banda desenhada". Licenciada em Jornalismo, essa caraterística vocal "não lhe permite" fazer rádio. É esse o problema.
Se reencarnasse seria uma girafa, pois era o contrário do que tem, ou seja, teria um pescoço grande e umas pernas longas. (Cliquem nos links para aceder às entrevistas.)

Aviso aos Internautas


1- Primeiro, há novidades em:
http://atualidadesbyclaudia.blogspot.pt/2015/06/o-dia-em-que-me-pediram-o-registo.html

2- "O negócio da TAP só estará fechado depois do visto de Bruxelas" foi o título da entrevista do Diário Económico a Humberto Pedrosa. Falaram sobre a TAP e esclareço algumas questões em relação à reversão do negócio (voltar a estatizar a empresa). http://atualidadesbyclaudia.blogspot.pt/2015/06/privatizacao-da-tap.html

Muitíssimo obrigada por já sermos 50 a seguir o blogue!! 

segunda-feira, 6 de julho de 2015

Opinião: Grécia

DR
"Não" não era o que eu diria se fosse votar. Percebo que as pessoas gostem da simplicidade de Alexis Tsipras e que estão fartas de austeridade. Sei que muitos cidadãos estão a passar (muito) mal naquela terra helénica em particular. Sim, compreendo que muitos jovens foram votar hoje pela primeira vez e que o desemprego jovem é elevadíssimo.

Não estava à espera de um "não" à Europa, confesso. Sou apoiante do "sim", pois voltarem à moeda dracma é terrível em termos de negociações com outros países e porque sem o financiamento da União Europeia tudo se complica.

Não vejo muitos pontos positivos, mas devo ser a única já que 61,47% votou ser a melhor opção. Toda a alegria que se espalha na Praça Sintagma, em Itália, está a deixar-me sem palavras mesmo sabendo que quem festeja tem medo do futuro. Como eu. 
Estou arrepiada, assustada e sem saber o que mais dizer.


Entretanto, o líder da Nova Democracia, Antonis Samaras, demitiu-se
"Demito-me hoje da liderança da Nova Democracia [centro-direita] e pedi a Evangelos Meimarakis para assumir provisoriamente a presidência”, disse minutos depois Samaras numa breve intervenção transmitida pela televisão.

Qual a tua opinião sobre a Grécia e a opção "não"?

domingo, 5 de julho de 2015

"O jogador era o analfabeto que não comia com talheres"


Jogador, analfabeto e não comia com talheres. É António Oliveira, ex-jogador de futebol do FC Porto, Bétis, Penafiel, Sporting e da seleção nacional. 

"Qualquer gajo pode ser doutor, mas, jogar à bola, pode andar 100 anos que não chega lá". António cursou Direito para provar à Mãe que essa afirmação era verdadeira e terminou a licenciatura aos 54 anos. O lema "por cada leão que cair, outro se levantará veio da [sua] cabeça" e não adianta explicações.

Numa entrevista ao Expresso, quando lhe perguntam "de todos os jogadores com quem jogou, qual o melhor" responde ser "o Oliveira", mas não diz explicitamente que se refere a ele próprio. Não obstante, António Oliveira tem um percurso notável no mundo do futebol. 

O "menino Toninho" foi aos 15 anos a um treino às escondidas dos pais e foi escolhido para os juvenis do FC Porto. A condição para lá jogar era continuar a estudar, pelo que Oliveira foi estudar para o lar do FC Porto. Logo aos 17 anos foi chamado ao plantel principal.

“Não admitia que nenhum jogador ganhasse mais um

cêntimo do que eu. Podia ganhar igual; mais não.”

Ganhou o galardão Associação dos Jornalistas de Desporto (CNID) três vezes (1978, 81 e 82). O prémio distingue o melhor futebolista português e "até ao Eusébio eu ganhei alguns prémios", afirma com orgulho.



Texto com base em:
Expresso, 14 de março de 2015, pps. 52 e 53
Imagem Rui Duarte Silva

Grécia... #2


"Grécia..." aqui.

sábado, 4 de julho de 2015

Futebol à Parte #3

Patrícia Rodrigues no JAC - Alcanena. DR
Patrícia Rodrigues é a "menina-prodígio" do andebol e vai para a Alemanha jogar na primeira divisão. O contrato com o clube HSG Blomberg pode ir até três épocas.



7 meses

7 meses de...trabalho? Não mesmo. Diversão, diria eu, por ser o que realmente gosto de fazer. É isso mesmo: diversão. É ouvir-vos e estar disponível para vocês. Estou sempre recetível aos vossos comentários. E se forem negativos? Mais bem-vindos são, pois posso crescer. É esse o meu desiderato, como também é "opinar, relembrar e reagir".

Top 5 do Mês

  
Zayn Malik sai dos One Direction


É impressionante como publiquei esta notícia no final de março e continua até hoje a liderar o top 5. Ainda por cima foi algo que me deu imenso gozo escrever pois resultou de uma pesquisa profunda. Obrigada por fazerem valer a pena o tempo investido.
Reportagem "O Negócio do Plasma"
O Dia em que me pediram o Registo Criminal 
(Brevemente novidades sobre este texto)
Opinião: Entrevista a Marcelo Rebelo de Sousa
Dia Internacional da FELICIDADE

386 comentários
270 posts,  + de 17600 visualizações, 48 seguidores
Aviso: O Instagram do blogue não me permite publicar fotografias. Está com problemas ainda sem solução à vista.

Muito obrigada por tudo!

FIND ME ON INSTAGRAM | FACEBOOK | TWITTER
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pin It button on image hover